Contra o Racismo – De Qualquer Espécie

nao-me-vejo-nao-compro

Nesta semana postaram no Facebook uma foto que foi motivo de muita discussão. Na tal foto, uma menina negra está de frente a uma vitrine de mochilas da  Barbie, segurando uma cartaz com o seguinte texto impresso: “Não me vejo, não compro”.  Para quem não sabe, esse é o lema de uma campanha na internet contra a falta de representatividade negra em produtos de consumo, bem como  de personagens afirmativos nos meios de comunicação, na cultura e na arte. Se o arguto Contronauta der uma procuradinha rápida no Google, vai encontrar diversos sites que apoiam esse movimento e pode ficar de estômago embrulhado com a quantidade de chorume vitimista que tem nessas publicações (é cada merda que tem lá, PQP…), além é claro do mais puro e revoltante RACISMO. Sim, isso mesmo, Caro Contronauta, racismo. Racismo de negros contra tudo o que você pode imaginar. Por isso, não vem com a falácia de “não existe racismo reverso”, que não tem. Essa é uma praga que está arraigada em todos os seres humanos. Seja lá qual for a cor da  pele, todos nós já sofremos preconceito de alguma forma, então estamos todos no mesmo barco. Ele está incutido profundamente em nossas mentes, e pelo que vejo, essa porra nunca vai acabar, enquanto existir filho da puta colocando essas bostas na cabeça das crianças desde muito cedo, como é o caso dessa campanha repulsiva e pusilânime.

 

fb_img_1477682997153

Já começa pelo  mimimi no título “Não me vejo, não compro”, que  prega em prol de uma maior diversidade de produtos que abranja todas as classes de pessoas, representando gente de toda cor, etnia, etc., mas, que na prática só serve pra salientar um preconceito velado e justamente daqueles que mais alegam serem vítimas desse mesmo preconceito. Quer  dizer que uma menina negra não pode ter uma mochila da Barbie, simplesmente por que não se vê representada nela e o único critério a ser levado em conta é a cor da sua pele?  Só por Barbie ser uma loira de olhos azuis, isso a desqualifica enquanto personagem/ produto capaz de merecer a preferência de uma menina de cor? Esse argumento estúpido tem a mesma validade de algum retardado dizer que, tipo, pra um moleque poder usar uma mochila do Hulk, ele precisa se pintar de  verde.  PORRA, NÃO FODE!

Mochilas não foram feitas para nos vermos nela. Fosse assim, num país tão diverso e miscigenado como o nosso, teria que existir uma caralhada de de mochilas para representar todo tipo de crianças existentes e ainda assim iria faltar. O que estão representados ali são personagens, que além das características físicas, tem vários outros atributos e qualidades que podem sim, representar qualquer um, seja branco ou preto. Exemplo disso é o próprio Hulk, que é um dos heróis preferidos da molecada. Ou a Elsa, do Frozen, que desde que apareceu é a personagem favorita das meninas e até de alguns meninos… mas, é melhor não pensar muito sobre isso, rs. Barbie não representa padrão de beleza algum, ela é apenas uma boneca loira, mada mais.E uma criança não tem maturidade, nem malícia pra se incomodar com isso. Ou seja, a inocência da menina está sendo tirada pela visão racista e preconceituosa de seus pais. Ela vai crescer sendo racista com quem é “branco”, pois assim lhe foi ensinado.É  tudo muito simples: se você cria uma criança ensinando a só gostar daquilo que representa a “raça” dela,  estará criando um alienado racista, seu SJW racista desgraçado filho de uma puta!
fb_img_1477197493198O motivo de toda essa confusão foi um só: pais escrotos militando por suas causas escrotas e usando seus filhos como escudo. Gente escrota aplaudindo isso e mais gente escrota agredindo o alvo errado, no caso, a menina, que é a única que não tem culpa de absolutamente nada nessa história. Mas, é sempre bom dizer que o preconceito começou com a família da criança, que deu aquela mensagem pra ela segurar. Mensagem essa, que é a opinião deles, não da menina, que como disse acima, não tem idade suficiente pra formar um conceito sobre um assunto tão complexo. Foi muito nojento da parte desses “responsáveis” fazer uma criança desse tamanho pagar esse mico e a expondo dessa forma à toda sorte de maloqueiros virtuais, cuja maioria tem a mesma idade mental dessa criança, porém, com o agravante de sofrerem de uma esquizofrenia aguda que os impedem de discernir entre um adulto mau caráter e uma criança manipulada a fazer algo que ela não tem o menor entendimento.Por que a mamãe dela não saiu na foto segurando a placa? Porque ela sabia que  estaria errada, e que grande parte da sociedade  iria condená-la e a malharia lindamente.

14606501_722232907941910_9209383795429623792_n

A esquerda, com esse papinho furado de hoje, em que TUDO é machismo, homofobia, golpe, etc., tá foda… Já tá ficando ridículo esse vitimismo ao extremo. A safadeza dessa gente é tão grande que pra eles justifica usar uma criança para causas políticas e tá tudo certo, tudo liberado. Isso foi muita escrotice, primeiro por levantar uma bandeira expondo uma garotinha, depois pela brincadeira de mau gosto dos favelados virtuais. Se não fosse o lixo de ser humano que tirou essa foto e o outro retardado que postou no Facebook, essa menina não estaria passando por isso, com a sua cara sendo exposta em todo lugar. O engraçado é que sempre as pessoas que mais ficam reparando na diferença das cores são aquelas que dizem “lutar” por igualdade. Porém o caminho que esses merdas escolhem,  acaba é criando e multiplicando as diferenças, o ódio, a intolerância, a aversão e acima de tudo, o preconceito. Tudo isso, em nome da “justiça social”, é claro…

fb_img_1477683232914
Não vai comprar?? RACISMO!!

Preconceito, o qual todos nós estamos expostos a sofrer em nossas vidas. Vamos parar de hipocrisia e com essa história mal contada de que só negro sofre preconceito. Essa falácia é rasa demais pra se justificar numa sociedade em que o que mais se faz é enfatizar as diferenças entre as pessoas. O que quero dizer com isso, caro Contronauta? Que, SIM, brancos também sofrem racismo. Outra idiotice é dizer que brancos não podem opinar sobre racismo, porque não sofrem preconceito, não estão em seu “lugar de fala” e merdas do tipo, seu ditadorzinho filho da puta. Expor opinião é direito de todos, faz parte da tal “democracia” que vocês tanto dizem defender, mesmo que as consideremos ridículas e não estejamos de acordo. TODO MUNDO pode sofrer preconceito e ele não engloba apenas o racismo. Por exemplo, não vejo um judeu ou japonês brasileiro estrilando que falta representatividade. Caralho, nem mesmo índios e nordestinos que, aí sim, teriam razão em se sentirem preteridos num monte de questões sociais, não estão de frescurinha se vitimizando. Vou falar aqui uma coisa que pode ser um choque de realidade pra muita gente: O Brasil não é só formado por brancos e negros.
fb_img_1477683209223

Até quando vamos ficar nessa briguinha inútil e sem sentido contra os padrões que “nós” mesmos criamos e estipulamos? A cor de uma porra de uma boneca (ou pior, de uma mochila) pode afetar tanto a criação de alguém?  Tá certo pra você que negros brinquem apenas com negros e com coisas de negros? Pqp… quando foi que as crianças começaram a pensar em políticas de representatividade e afirmação ao invés de pensar apenas em brincar e se divertir? São CRIANÇAS. C-R-I-A-N-Ç-A-S. Eles não vão pensar nisso a não ser que alguém criminosamente lhes faça a cabeça. Do contrário crianças não estão nem aí pra isso, estão pouco se lixando pra racismo. Se você tem alguma ideologia, enfia no cu, desgraçado(a), não use seus filhos para se manifestar. Tomem vergonha nessa cara, cambada de vagabundo que acha lindo os pais de uma criança negra doutrinarem a coitada a odiar quem não é de sua cor. Os maiores racistas são aqueles que estão colocando negros como minoria, e como se eles não fossem capazes de se defender sozinhos. E se você, Black Hitler do cacete, me considera um inimigo só pelo fato de eu ter a pele branca, o racista é você. Eu não tenho a porra da culpa pelo que o seu bisavô sofreu há 200 anos atrás. Aliás, ninguém que está por aqui na terra tem.

fb_img_1477682949501

Como sempre, essa galera se contenta em fazer textão e despejar chorume nas redes sociais e com isso, acham que estão fazendo grande coisa. Vou dizer uma coisa – em caixa alta e negrito (sem trocadilho) –  pra vocês que estão me lendo agora e que pensam assim: NÃO ESTÃO. Se realmente tivessem interessados em tomar uma atitude de fato, iriam atrás de saber que existem formas realmente eficientes de se lutar para que produtos sejam criados a fim de atender suas demandas, se é isso que pra vocês será o que vai acabar ou diminuir o racismo contra negros nas gôndolas e araras de lojas de mochilas e brinquedos. E é bem simples: mande um e-mail pras empresas solicitando que avaliem a possibilidade e o mercado para que fabriquem bonecas e mochilas com personagens de temáticas afro. Se eles perceberem que a demanda é real e de que há um público disposto a consumir esse material, com certeza eles irão se mexer pra atender essa necessidade mercadológica e social. É a lei da oferta e da procura. Isso é capitalismo, baby. O mercado fornece aquilo que as pessoas querem. Se as pessoas – E NÃO APENAS NEGROS –  passarem a comprar esses produtos com personagens negros, logo vão produzir mais, porque um novo mercado está demandando isso.  Agora, ficar choramingando e falando merda no Facebook não vai resolver PORRA NENHUMA.

fb_img_1477150140494

Vou ficando por aqui, mas, antes, deixo essa pérola de vídeo aqui, que serve muito bem pra provar a minha posição a respeito do racismo institucionalizado de negros para brancos e que quase nunca é comentado, porque pega mal com essa merda de ditadura do politicamente correto que vem sendo imposta todo dia. Mas atenção, não recomendo que os Contronautas fracos de estômago assistam à isso. Eu mesmo fiquei meio enjoado (e enojado) quando o vi da primeira vez. Trata-se de racismo contra brancos do mais rasteiro. Uma putaria que jamais seria aceita se as raças dos seus protagonistas fossem invertidas. Esta nojeira absoluta é o trailer de Those Goodfellas,  uma nova série que está pra estrear na televisão britânica. Não se enganem pelo título, a série não trata de mafiosos… em vez disso, trata das “alegrias de ser preto numa vizinhança branca“! E que “alegrias” são essas, pergunta argucioso Contronauta? Bem, coisas do tipo, “ninguém se atreve a arrumar briga com um preto” (por “ninguém” entenda-se “nenhum branco“, evidentemente).

fb_img_1477275040272

Mas isso é só o começo. Porque depois fica pior: “tu pode foder todas as piranhas brancas no raio de uma milha“, diz um dos “heróis” da série. E as “piranhas” brancas até fazem fila pra serem montadas pelo “Augustinho”, um “jovem vibrante”, que as fode tão bem que elas até imploram: “Quero-te dentro de mim, Augustinho!” e “Quero parir os teus bebés, Augustinho!” Em troca, o Augustinho promete às vagab… eeer… perdão, às moças brancas que “não poderão funcionar durante as próximas 24 horas ” (depois do cruzo). E o Augustinho cumpre a promessa:porra, ele até compra várias cadeiras de rodas para que as moças possam voltar para casa depois de serem devidamente arrebentadas. Legal é que não vi em nenhum lugar nenhuma feminista fazer hashtag de protesto ou ameça de boicote à essa série. Enfim, há mais, mas eu não quero estragar o resto da surpresa. Vejam por vocês mesmos, caros Contronautas.

“Representatividade importa”

facebook_1419289055760E viva a diversidade!

 

 

 

 

 

 

 

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s