O Rebirth Do Homossexualismo Como Doença Mental No DC Rebirth

A gente está sempre apontando e malhando as decisões de editoras e estúdios de mudarem a cor e a etnia de personagens estabelecidos, apenas para agradar um determinado nicho e pra levantar a bandeira do politicamente correto. Hoje, vamos falar de um caso pitoresco, em que o resultado foi exatamente o oposto da intenção. Ou seja, a emenda saiu bem pior que o soneto nessa nova descaracterização de um personagem para uma abordagem mais pós-moderna. Ao invés de soltar purpurina e balançar a bandeira do arco iris por mais um personagem hétero “convertido” para a irmandade, tem é muito gayzista levando por trás (e não gostando, veja você) com a forma que a DC Comics decidiu tirar mais um de seus personagens de quinta categoria do armário. Vai vendo…

Recentemente a Marvel Comics aprontou mais uma das suas e revelou que o personagem bucha de longa data Demolição (D-Man) é gay em uma edição da cartilha esquerdista revista do Capitão América (o Falcão, não o verdadeiro), em que ele aparece em várias cenas com seu namorado igualmente bucha, já que nem mesmo o nome do cidadão é citado em nenhum momento da história. Ninguém deu muita bola e não se viu twittadas exaltadas comemorando mais essa lacração da Marvel e como eles são progressistas, inclusivos, etc… Muito provavelmente isso (não) aconteceu porque o Demolição sempre foi um zero a esquerda e ninguém tá se lixando pra ele, o que, consequentemente não geraria buzz nenhum a revelação “surpreendente” de sua viadice recém inventada (e forçada), muito menos, alguma nesga de polêmica ou clickbait.

Seguindo o exemplo da sua rival, a DC Comics resolveu fazer algo semelhante com o igualmente bucha, zero a esquerda insignificante vilão Stallion, que apareceu pela primeira vez em 1997 em Nightwing # 17, e que morreu em uma explosão nuclear que destruiu toda a cidade de Bludhaven em Infinite Crisis 7, de junho de 2006. Mas, na última edição do gibi do Asa Noturna pelo DC Rebirth, Nightwing V$ #11, o figura ressurge, fazendo a sua primeira aparição no Universo DC Novos 52 – sim, essa merda ainda não acabou com o Rebirth, como muito idiota acha que acabou. Enfim, o negócio é comer cu e buceta é que Stallion voltou como parte de um grupo de super-vilões que frequentam terapia de grupo, e que passam por sessões de psicanálise para tratar de suas tendências violentas – no caso de Stallion, tem a ver com sua propensão a “homofobia”, como podemos ver em seus diálogos na sequência abaixo:

Só que no caso de Stallion, essa ‘homofobia’ tem algo mais: suas atitudes agressivas tem a ver com o desejo reprimido dele de se pegar com outros homens – no caso aqui, o Dick, aquele viadinho – e amiguinho do Bátima. Ou seja, decididamente Stallion é um perturbado mental, seja por não aceitar sua condição de sentir tesão por outros homens ou por não saber lidar com isso ao querer quebrar na porrada os caras pelos quais ele se atrai. De uma forma ou de outra, a mensagem é bem clara aqui: que o homossexualismo (na história) é visto como uma doença. Ou seja, com essa inclusão de mais uma personagem peba ao rol LGBT, a DC indiretamente ressuscitou a ideia do homossexualismo como era visto antigamente em seu universo ficcional.

Antes de continuar, vejamos a definição do termo “homossexualismo”:

Homossexualismo
n substantivo masculino
1 a prática de relação amorosa e/ou sexual entre indivíduos do mesmo sexo
2 m.q. homossexualidade

É comum encontrarmos militantes gays que se irritam quando ouvem ou lêem a palavra “homossexualismo”, logo tratando de corrigir: “mimimi, o certo é homossexualidade…”. A imprensa também aderiu ao uso “politicamente correto” da palavra, como descrito no manual da ABGLT: “Manual de Comunicação LGBT” (aqui) que diz:

O manual de comunicação LGBT (Lésbicas, Gays,  Bissexuais, Travestis e Transexuais) é voltado  para profissionais, estudantes e professores da  área de comunicação (Jornalistas, Radialistas,  Publicitários, Relações Públicas, Bibliotecários,  entre outras pessoas).

É um dos objetivos da atual diretoria da Associação  Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais,  Travestis e Transexuais – ABGLT, e de ativistas  ligados ao segmento LGBT no Brasil, reduzir o  uso inadequado e preconceituoso de terminologias  que afetam a cidadania e a dignidade  de 20 milhões de LGBT no país, seus familiares,  amigos, vizinhos e colegas de trabalho(…) 

 

Em 1973, os Estados Unidos retirou “homossexualismo” da lista  dos distúrbios mentais da American Psychology Association, passando  a ser usado o termo Homossexualidade(…) Em 1999, o Conselho Federal de Psicologia formulou a Resolução  001/99, considerando que ‘a homossexualidade não constitui doença,  nem distúrbio e nem perversão’(…) Por isso, o sufixo ‘ismo’ (terminologia referente à ‘doença’) foi  substituído por ‘dade’ (que remete a ‘modo de ser’).” 

É  sempre bom apontar que o manual declara existirem “20 milhões de LGBT no país”… De onde caralhos (ou cu) eles tiraram esse número? Essa ideia vem  do famoso “mito dos 10%”, que diz que um décimo da população mundial é gay. Quantos LGBT’s de fato existem no mundo? Bem, aqui há uma pista. Parece ser beeeeeeem correto e instrutivo o manual, mas, de acordo com a lógica bizarra da ABGLT, de que o sufixo ‘ismo’ significa  doença, então  também são doenças: assistencialismo, abolicionismo, jornalismo, automobilismo, socialismo, capitalismo, ateísmo, cristianismo, espiritismo, judaísmo, budismo, materialismo, etc. Então quando um jornalista pratica o seu jornalismo, ele é um doente? Ou, quando você ajuda alguém e faz assistencialismo, você também é um doente?

Parece que esse pessoal anda militando e exagerando é que são os verdadeiros doentes – ou só canalhas mesmo – o que é bem mais provável. Para muitos homossexuais, o seu “homossexualismo” parece ser tomado de maneira ideológica, tamanho o seu fanatismo pela causa. E fanatismo é uma MERDA, em toda e qualquer situação, seja na militância gay, feminista, estudantil, religiosa, política, etc.

Agora, voltando ao nosso amigo Stallion: O diálogo dele nessas páginas soa claramente como se tivesse sido escrito para fazê-lo soar como um retardado mental. Ainda mais do jeito que foi feito, com o cara admitindo seu desejo de estar com outros homens pra todo mundo ouvir, de um jeito bem ridículo e infantilóide. Por que ele diria isso em voz alta Sinceramente, não sei qual a  mensagem que o escritor Tim Seeley (de novo ele) e mesmo a DC estão tentando passar neste caso – a não ser dar mais projeção a falácias do tipo “todo homofóbico é um gay enrustido”, o que só serve pra reforçar mais ainda a tese inabalável de que não existe “crime de homofobia”, se a violência cometida contra gays ocorre por parte deles próprios, uns contra os outros.

Logo, não faz sentido você defender uma agenda afirmativa pró-LGBT e usar um vilão desta forma tão constrangedora, mesmo esse sendo um personagem xexelento. Ainda mais que é uma tendência geral no mercado de quadrinhos em não retratar nenhum personagem representante de alguma “minoria oprimida” de forma negativa ou questionável. Esse papel – o de coisa ruim, desgraçado e filho da puta – está sendo dedicado unicamente para personagens com perfil “homem hétero, ‘cis’, classe média, opressor, etc”, que é o espantalho preferido dos justiceiros sociais como o responsável por toda merda de ruim que acontece no mundo.

Então, é isso, amiguinho: no Universo DC , quem bota uma fantasia ridícula de couro e sai na rua pra agredir pessoas do mesmo sexo, não passa de um perturbado mental, enrustido, amargurado e mal resolvido com o seu próprio homossexualismo e faz isso pra aplacar o seu desejo descontrolado de sentar numa rola, logo…

Bem, não falo mais nada…

2 comentários Adicione o seu

  1. Miguel disse:

    O “lismo” tem vários usos e a maioria das pessoas não associa homossexualismo a doença. O estigma de doença não existe na sociedade.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s